ballet
A história do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro começa em 1927, quando a bailarina Maria Olenewa (1896-1965) fundou a primeira escola de dança do Brasil, sediada no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Olenewa, integrante da Companhia de Bailados de Leonide Massine, que lecionara na Escola de Danças do Teatro Colón de Buenos Aires e dançara no Brasil em 1921, fixou residência no Rio de Janeiro. Animada com as aulas particulares de balé que ministrava na cidade, tomou a iniciativa de propor a criação da Escola de Dança, dando início à formação de bailarinos para integrar um futuro Corpo de Baile.

Olenewa, Maria

Maria Olenewa. [c. 1930].


Inicialmente, Corpo de Baile e Escola de Dança se fundiam numa única estrutura na apresentação de espetáculos, até que, em 1936, foi oficialmente criado o Corpo de Baile com a separação definitiva entre escola e companhia profissional.  A partir de então, o Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro vem cultivando um extenso repertório, baseado nos grandes títulos clássicos de todos os tempos e a produção contemporânea. Ao longo de sua existência foi dirigido por grandes nomes da dança e contou com a colaboração de coreógrafos de prestígio internacional.

Igor Schwezoff. [Século XX].

Igor Schwezoff. [Século XX].

Tatiana Leskova. [Século XX].

Tatiana Leskova. [Século XX].

Vaslav Veltchek. [c. 1930]

Vaslav Veltchek. [c. 1930]


Em 1937, sob a direção de Olenewa, estreou a Primeira Temporada Nacional de Bailados.  De 1939 à 1943 o Ballet do Theatro Municipal foi dirigido pelo tcheco Vaslav Veltchek (1897-1968). O russo Igor Schwezoff (1904-1982) dirigiria a brilhante temporada de 1945. De 1950 a 1957, a bailarina e coreógrafa Tatiana Leskova ocupou a direção do Corpo de Baile, onde criou e remontou grandes balés, dos quais participavam expoentes internacionais da dança.

Eugenia Feodorova. [Século XX]

Eugenia Feodorova. [Século XX]


Eugenia Feodorova (1923-2007) estreou no Theatro Municipal em 1958 como Maitre de Ballet e coreógrafa e montou, pela primeira vez completo na América do Sul, O Lago dos Cisnes de Tchaikovsky. No início da década de 1960 William Dollar (1907-1986) e Helba Nogueira (1930-1998) sucederam Feodorova em breves períodos. Em 1963 Vaslav Veltcheck, que seria um dos maiores incentivadores da dança no país, retornou à direção do Corpo de Baile.

dalal-achcar

Dalal Achcar. [c. 2000]


Um novo período se abriu com a direção de Dalal Achcar, que em 1968, convidou o coreógrafo Norman Thonson para a remontagem de Cinderela, de Prokofieff. A década de 70 foi de grandes realizações e renovação do repertório. Dennis Gray criou Prometeu, com música de Beethoven. Em 1973, George Skibine, coreógrafo convidado, montou Daphnis e Chloé, de Ravel, O Pássaro de Fogo e Les Noces, de Stravinsky. Oscar Araiz, em 1974, produziu sua versão para Romeu e Julieta, de Prokofieff. Sob a liderança de Tatiana Leskova e George Garcia foi realizada uma reformulação no Corpo de Baile, que em 1977 passou a chamar-se Ballet do Theatro Municipal. Novas montagens foram incorporadas ao repertório da companhia, mais uma vez sob a direção de Dalal Achcar: O Descobrimento do Brasil e Floresta Amazônica, com música de Villa-Lobos, O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky, Don Quixote, de Minkus, La Fille Mal Gardée, na versão de Alexander Grand, e ainda Giselle, com coreografia de Peter Wright para a música de Adam, Coppelia de Henrique Martinez e A Megera Domada, de John Cranko.

Nora Esteves

Nora Esteves

Denis Gray

Denis Gray


No final da década de 1980 e início de 1990, com o Theatro Municipal transformado em Fundação, a Companhia foi dirigida sucessivamente por Tatiana Leskova, Nora Esteves e Dennis Gray(1924-2005).  Em 1995, Emilio Kalil assumiu a Presidência da Fundação e convidou Jean-Yves Lormeau (1952-2014) para dirigir o Ballet. Neste período a Companhia recebeu como professores convidados David Allen, George Garcia, Gilbert Mayer, Jacques Namont, Jaroslav Slavick, Nanon Thibon, Aldo Lotufo, Consuelo Rios, Dora Lipka, Eugenia Feodorova, Eric Valdo, Ileana Lastres, Márcia Haydée, Tatiana Leskova, Alphonse Poulin, Emílio Martins, Miriam Guimarâes, Olivier Pardina, Piotr Nardelli, Rosália Verlangieri, Ricardo Nunes e Yelê Bittencourt.

Jean-Yves Lormeau

Jean-Yves Lormeau


No período sob a direção de Lormeau foram remontados títulos importantes como: Napoli/Tarantelle e Konservatoriet, de Bournonville, Suite en Blanc, de Lifar, L’Après-Midi d’un Faune de Debussy e A Sagração da Primavera e Les Noces de Stravinsky nas coreografias originais de Nijinski, Serenade e Divertimento Nº 15 de Balanchine, Les Présages de Massine, Grand Pas Classique de Victor Gsovsky. Novas propostas coreográficas foram apresentadas para Paquita de Petipa, La Sylphide de Lacotte, Daphnis et Chloé de Skibine e versões do próprio Lormeau para O Lago dos Cisnes e A Bela Adormecida. O repertório foi ampliado com a incorporação de coreografias de Angelin Preljocaj (Larmes Blanches), Uwe Scholz (Jeunehomme), Lubovitch (Concerto K622), Oscar Araiz (Magnificat) e Arrieta (Tempo de Tango). Importantes coreógrafos brasileiros foram convidados para trabalhar com a Companhia, como Rodrigo Pederneiras (Prelúdios), R. Moreira (La Valse), Lia Rodrigues (Resta Um), Dalal Achcar (Cardinal), Regina Miranda (Contra-Ataque) e Débora Colker (Paixão).

Gustavo Mollajoli

Gustavo Mollajoli

Richard Cragun

Richard Cragun


Em 1999, com Dalal Achcar à frente da Fundação, Gustavo Mollajoli, ex-primeiro bailarino e ex-diretor do Ballet Estável do Teatro Colón de Buenos Aires, assumiu a direção da Companhia. O período é marcado pela presença de Natalia Makarowa, que montou suas versões para La Bayadère e O Lago dos Cisnes. A produção contemporânea se configurou com coreografias de Ivonice Satie, Deborah Colker, Dalal Achcar, Oscar Araiz, Vicente Nebrada, Uwe Scholz, Ismael Ivo, Márcia Haydée, John Cranko, Martha Grahan e David Parsons, culminando com a grande produção de Romeu e Julieta de Prokofiev, com coreografia de Vladimir Vasiliev e regência de Mstislav Rostropovitch. Em 2003, outro grande nome da dança internacional assumiu a direção do Ballet do Theatro Municipal: Richard Cragun(1944-2012). Sob sua direção foram incorporadas ao repertório novas coreografias, como Onegin de John Cranko para a música de Tchaikovsky, 7ª Sinfonia de Uwe Scholz, com música de Beethoven e Voluntaries de Glen Tetley, a partir do Concerto para Órgão de Poulenc.

Sergio Marshall

Sergio Marshall

Fauzi Mansur

Fauzi Mansur


Em 2005, já sob a direção de Fauzi Mansur, o Ballet do Theatro Municipal apresentou pela primeira vez a coreografia de Uwe Scholz para o oratório A Criação de Joseph Haydn, reapresentado em 2006, já com Sérgio Marshall à frente da Companhia.

Marcelo Misailidis

Marcelo Misailidis

Helio Bejani

Helio Bejani

Sérgio Lobato

Sérgio Lobato


Marcelo Misailidis, primeiro bailarino do Theatro Municipal, sucedeu Marshall ainda em 2006. Em sua gestão, Misailidis apresentou uma nova versão para O Lago dos Cisnes, de Yelena Pankova, e remontou Onegin de Cranko. Apostou também no talento coreográfico dos bailarinos da Companhia, apresentando seis coreografias inéditas.  Em 2009, Hélio Bejani, ex-bailarino do BTM, assumiu a Companhia e realizou turnês pelo Brasil durante o período em que o Theatro Municipal esteve em obras para as comemorações de seu centenário de fundação. Foram apresentadas no período, além dos clássicos em repertório, novas produções para Carmem e L’Arlésienne de Roland Petit, com música de Bizet, coreografias de David Parsons e remontagens de Onegin de John Cranko e A Criação de Uwe Scholz. Em 01 de julho de 2013 a companhia passou a ser dirigida por Sérgio Lobatto, que permaneceu no cargo até 25 de agosto de 2015 quando foram nomeadas as primeiras bailarinas Ana Botafogo e Cecília Kerche atuais diretoras do Ballet do Theatro Municipal.

Cecilia Kersche e Ana Botafogo. Foto Júlia Rónai, 2016

Cecília Kerche e Ana Botafogo. Foto Júlia Rónai, 2016





 

FICHA TÉCNICA

Direção Artística

Ana Botafogo Cecília Kerche 
Ana Botafogo

Ana Botafogo

É Primeira Bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, já tendo se apresentado em vários países da Europa e das Américas do Norte, Central e do Sul.

 

Nasceu no Rio de Janeiro, onde começou seus estudos de balé. Sua carreira profissional iniciou-se na França integrando o Ballet de Marseille, de Roland Petit. Participou de Festivais em Lausanne, Veneza, Havana e na Gala Iberoamericana de La Danza, representando o Brasil, em Madri. Foi Bailarina Principal do Teatro Guaíra, da Associação de Ballet do RJ e, em 1981, ingressou no Theatro Municipal do Rio de Janeiro como Primeira Bailarina.

 

Entre os muitos títulos, recebeu o de Embaixador da Cidade do Rio de Janeiro, o de Benemérito do Estado do Rio de Janeiro, Chevalier Dans L’Ordre des Arts et des Lettres (Ministério da Cultura da França), o Troféu Mambembe-1998, a Ordem do Mérito Cultural (Ministério da Cultura- Brasil), na classe de “Comendador”, e a Medalha Pedro Ernesto.

 

Como artista convidada dançou com importantes companhias tais como Saddler’s Wells Royal Ballet, Ballet Nacional de Cuba e no Ballet da Ópera de Roma, entre outras. Apresentou-se em quase todo o Brasil, com o Ballet do Theatro Municipal do Rio ou com Companhias e Academias de Ballet. Levou para diversas capitais brasileiras os espetáculos Ana Botafogo In Concert, Três Momentos do Amor, Suíte Floral, e, em parceria com Carlinhos de Jesus, Isto é Brasil. Em 2011 comemorou 35 anos de carreira com o espetáculo Marguerite e Armand.

 

A divulgação da dança é uma preocupação constante de Ana Botafogo, que leva sua arte para todos os cantos do Brasil assim como ministra palestras com o intuito de estimular jovens bailarinos aos encantos dessa profissão. É considerada, tanto pelo público como pela crítica, uma das mais importantes bailarinas brasileiras.
Cecilia Kerche

Cecilia Kerche

Seu nome constitui um dos expoentes mais notáveis surgidos no ballet Latino-Americano das últimas décadas. Nascida no Brasil, iniciou seus estudos com Vera Mayer, Halina Biernacka e Pedro Kraszczuk, seu professor e marido.

 

Integra o Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro como Primeira Bailarina e, paralelamente, tem sido convidada a se apresentar em festivais brasileiros e internacionais. Nos mais respeitados teatros de quatro continentes, apresentou-se ao lado de grandes nomes do cenário internacional do ballet.

 

Com vasto repertório, incluindo diversas versões dos mais importantes clássicos, apresentou-se junto ao Ballet Nacional do Chile, Teatro Colón na Argentina, Ballet do Teatro Sodre, assim como em companhias na Rússia, Estados Unidos e Ballet Nacional de Cuba. No English National Ballet, atuou como Senior Principal Resident Guest Artist, dançando de 1993 a 2000. Foi aclamada por Madame Nathalia Makarova como a melhor intérprete de Odette/ Odile em O Lago dos Cisnes.

 

Apresentações em diversas Galas coreográficas a levaram a Nova York, Madri, Seoul, Moscou, Odessa, Novosibirsky, Tashkent, Baskiria e Perm (Rússia), Londres, Melbourne, Sidney, Santander, Peralada, Nervi, Jerez, México, Caracas, Santiago de Chile, Assunción, Montevidéu, Buenos Aires, Puerto Rico, Dresden, Bruxelas, Antuerpia e Paris. Nestas últimas cidades tomou parte do encerramento da edição europeia de Les Gèants de la Danse, junto à Maya Plissetskaya.

 

Em 2010, no ano em que comemorou 20 anos de carreira internacional, lançou seu livro fotobiográfico Cecilia Kerche, Vida e Palco. Em 2013, fez parte da seleta banca de jurados do Festival Internacional de Ballet Tanzolimp em Berlim.

Coordenação

Mateus Dutra

Ensaiadores

Aurea Hammerli, Celeste Lima, César Lima, João Wlamir, Marcelo Misailidis, Márcia Faggioni, Norma Pinna, Teresa Augusta

Assistente de Ensaios

Paulo Arguelles

Professores

César Lima, Manoel Francisco, Marcelo Misailidis, Nora Esteves, Ronaldo Martins, Teresa Augusta

Bailarinos Principais/Primeiros Bailarinos

Ana Botafogo, Aurea Hammerli, Cecília Kerche, Claudia Mota, Karen Mesquita, Márcia Jaqueline, Nora Esteves, Cícero Gomes, Filipe Moreira, Francisco Timbó, Moacir Emanoel, Paulo Rodrigues**

Primeiros Solistas

Carolina Neves, Deborah Ribeiro, Karina Dias, Márcia Faggioni, Priscila Albuquerque, Priscilla Mota, Renata Tubarão, Edifranc Alves, Joseny Coutinho, Rodrigo Negri

Segundos Solistas

Élida Brum, Mel Oliveira, Melissa Oliveira, Rachel Ribeiro, Vanessa Pedro, Viviane Barreto, Anderson Dionísio, Carlos Cabral, Ivan Franco, Murilo Gabriel, Paulo Ricardo, Ronaldo Martins, Santiago Júnior, Wellington Gomes

Bailarinos

Ana Luiza Teixeira*, Ana Paula Siciliano, Bianca Lyne, Carla Carolina, Cristiane Quintan, Fernanda Martiny, Flávia Carlos, Inês Pedrosa, Isabel Torres, Juliana Valadão, Karin Schlotterbeck, Lourdja Mesquita, Marcella Gil, Márcia Antunes, Margheritta Tostes, Marjorie Morrison, Mônica Barbosa, Nina Farah, Paula Mendes, Paula Passos, Regina Ribeiro*, Renata Gouveia, Rita Martins, Rosinha Pulitini, Sabrina Germann, Sandra Queiroz, Sueli Fernandes, Tereza Cristina Ubirajara, Alef Albert, Bruno Fernandes, Carlo Mascheroni, Diego Lima, Enéas Brandão*, João Carvalho, Mauro Sá Earp, Paulo Muniz, Roberto Lima, Sandro Fernandes, Saulo Finelon, Sérgio Martins

Bailarinos Contratados

Aimé Rodriguez, Aloani Bastos, Andressa Viana, Caroline Gil, Caroline Machado, Larissa Gomes, Liana Vasconcelos, Paula Damiane, Samantha Monteiro, Thaís Danello, Arthur Sai, Felipe Viana, Luan Batista, Lucas Leonardo, Matheus Brito, Thiago Neves, Vinícius Vasconcellos, William de Almeida, Yitzhack Davi

Assistentes Administrativos

Zeni Saramago, Zélia Íris, Vilma Rocha*

Coreóloga

Cristina Cabral

Assistentes Artísticos

Margarida Mathews, Lourdes Braga

Pianistas

Gelton Galvão, Gladys Rodrigues, Itajara Dias, Valdemar Gonçalves, Mariza Tortori Seixas**

Produção

Irene Orazem, Ana Quevedo, Inês Schlobach, Shirley Pereira

Pesquisa e Divulgação

Elisa Baeta

Assistente de cenografia

Renê Salazar

Médico

Danny Dalfeor

Fisioterapeutas

Luccas Rodrigues, Fernando Zikan

Estagiários Administrativos BTM

Allan Carvalho e Rafael Sales

Bailarinos Cedidos

Adriana Duarte, Barbara Lima, Cristina Costa, Elizabeth Oliosi, Laura Prochet, Lúcia Guimarães, Hélio Bejani, Paulo Ernani

Licenciado* Cedido**