compre aqui seu ingresso

Não é permitida a entrada de pessoas trajando bermuda, short, top, camisa sem manga e chinelos.

 

Dia 1 às 21h
Festival O Boticário na Dança
AKRAM KHAN COMPANY / iTMOi

 

 

Celebrando o centenário de Sagração da Primavera, de Igor Stravinsky, iTMOi (in The Mind Of igor) foi concebida  pelo  coreógrafo e dançarino Akram Khan, tendo como premissa explorar o modo com que Stravinsky revolucionou o mundo da música clássica evocando seus padrões e interrupções e construindo  uma  conexão ao redor de um Ritual de Sacrifício. Com trilha sonora original por Nitin Sawhney, Jocelyn Pook e Ben Geada e a Akram Kham Company, um grupo de 11 bailarinos de diferentes nacionalidades e escolas, iTMOi revela um mundo onde conceitos de belo e feio são quebrados revelando o quão próximo e interdependentes são.

 

Sobre a companhia

 

Fundada em 2000 pelo coreógrafo Akram Khan e pelo produtor Farooq Chaudhry, a Akram Khan Company atravessou fronteiras com suas narrativas artísticas instigantes. Uma das companhias de dança mais inovadores e importantes do momento, é reconhecida por suas colaborações interculturais e interdisciplinares que desafiam as convenções e formas de dança tradicionais, com temas que abordam questionamentos inusitados, humanos e que levam a plateia a novos lugares sempre abraçando outras culturas e disciplinas e, sobretudo, com um trabalho coreográfico cuja marca é o fascínio em contar histórias, comunicar ideias inteligentes, corajosas e que trazem consigo o reconhecimento, o sucesso artístico e comercial. Sua linguagem tem raízes no clássico, Kathak e na técnica moderna.

 

Preços:
Frisas e camarotes – R$ 360,00
Plateia e balcão nobre – R$ 60,00 
Balcão superior – R$ 40,00 
Galeria – R$ 10,00

 

 

 

 

 

Dia 2 às 21h
Festival O Boticário na Dança

LOUISE LECAVALIER / So Blue

 

 

Louise Lecavalier e seu partner Frédéric Tavernini criam uma atmosfera de alta tensão, um trabalho marcado pela música visceral de Dede Mercan. Tão rápido como o pensamento, o corpo é quem dita as suas leis e transgride seus limites. Velocidade, lentidão, abstração, teatralidade: todos meios para expressar o corpo. Em So Blue, o corpo torna-se uma "arte viva", entre a escultura, a performance e a dança. Sequências ágeis contrastam com as mais lentas, outras mais fluidas, rigidamente controladas ao ponto de abandono. Quase todos os movimentos são inspirados em gestos simples do cotidiano que se tornam extremos quando repetitivos, decompostos ou cumulativos.

 

Sobre a coreógrafa

 

Nascida em Montreal, Louise Lecavalier estudou balé clássico e dança moderna em Montreal e Nova York. Tornou-se profissional em 1977, e começa a aparecer como criadora em 1982, com o solo de “No, No, No eu não sou Mary Poppins”. Em 1985, tornou-se a primeiro canadense a ganhar um prêmio Bessie em Nova York. Em 2012, coreografa a primeira parte de “So Blue”, com estreia mundial em 2012, pelo Tanzhaus NRW em Dusseldorf. Em 2008, recebeu a comenda Oficial da Ordem do Canadá; em 2011, foi nomeada Personalidade da Dança do Ano, pelo Sindicato de Dança Frances e a União de críticos de Arte da França; e no mesmo ano tornou-se a primeira vencedora do Prix de la danse de Montréal. Em 2013, ganhou um dos prêmios de maior prestígio no mundo da dança, Premio Léonide Massine, na categoria Most Outstanding Female Dancer of the Year.

 

Preços:
Frisas e camarotes – R$ 360,00
Plateia e balcão nobre – R$ 60,00 
Balcão superior – R$ 40,00 
Galeria – R$ 10,00

 

 

 

Dia 3 às 21h
Festival O Boticário na Dança
TAO DANCE THEATER
Espetáculos 4 e 5

 

 

4

É como se uma onda magnética movimentasse os quatro bailarinos que ora puxam, ora embalam, ora separam, e ora se unem sem que se toquem. A música é do compositor chinês de indie-folk-rock, Xiao He.

 

5

Encontramos cinco bailarinos, que na verdade mais do que tocar-se fisicamente, nunca se separam e se movimentam formando uma massa humana. As obras são uma continuação do trabalho do coreógrafo Tao Ye, uma experimentação onde ele explora o potencial do corpo humano como elemento visual sem a preocupação de contar histórias ou representar. O coreógrafo acredita que uma única palavra ou frase é insuficiente para resumir uma obra de dança contemporânea teatral e expõe e liberta para o publico a livre imaginação.

 

Sobre a companhia

 

Desde sua Fundação, em 2008, a TAO Dance Theater tomou de assalto o mundo de dança na China. Tem sido destaque em festivais de dança moderna em todo o continente asiático e colaborado, na China, com expoentes de todas as artes: teatro, música, cinema, artes visuais e instalações multimídias. Foi a segunda companhia chinesa de dança contemporânea depois de Guangdong Modern Dance Company, em 1997, a ser convidada para se apresentar no American Dance Festival, e a primeira a ser companhia residente por seis semanas no ADF. Em 2012, foi convidada a se apresentar no Lincoln Center Festival, a primeira companhia chinesa convidada a se apresentar no Festival de Dança da Primavera na Sydney Opera Houser. Criadora de uma linguagem própria de movimentos, a TAO também se dedica à dança como expressão de arte e de educação, com programa de workshops e aulas intenso.

 

Preços:
Frisas e camarotes – R$ 360,00
Plateia e balcão nobre – R$ 60,00 
Balcão superior – R$ 40,00 
Galeria – R$ 10,00

 

 

 

 

 

Dia 4 às 21h

Festival O Boticário na Dança - CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA /BALÉ TEATRO GUAÍRA 

CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA / Sra. Margareth

 

 

Sra. Margareth, com excertos de Monger, é uma adaptação de Barak Marshall para a companhia Cisne Negro. É um trabalho de dança-teatro para 12 bailarinos, e conta a história de um grupo de funcionários, preso no porão da casa de uma patroa abusiva. O movimento de Marshall é físico, afiado, rápido, com argumentos étnicos contemporâneos emotivos, visuais e teatrais. A estrutura da peça de narrativa é traçada a partir de várias fontes, incluindo a vida e a obra de Bruno Shultz e Jean Genet "As Criadas". A trilha combina elementos da música cigana e do sudeste europeu, passando pela música clássica e rock.


Sobre a Cisne Negro Cia. de Dança

 

Originalidade, ousadia constante preocupação com a  formação de novas plateias fazem da Cisne Negro uma das mais respeitadas companhias  contemporâneas da atualidade. Com uma respeitada carreira internacional, sucesso de crítica e público, surgiu em São Paulo da  união de dois universos,  dançarinos e atletas,  que resultou em uma dança espontânea, energética, e de grande qualidade técnica e artística. Os trabalhos da companhia inserem-se no panorama contemporâneo da dança tanto no  Brasil quanto no exterior com repertório que inclui diferentes coreógrafos: Ana Maria Mondini, Denise Namura, Vasco Wellencamp (Portugal), Gigi Caciuleanu, Patrick Delcroix (França), Janet Smith e Mark Baldwin (Inglaterra), Júlio Lopes e Luis Arrieta (Argentina), Michael Bugdahn (Alemanha), Victor Navarro (Espanha), Itzik Galili e Barack Marshall (Israel), este último oriundo da Batsheva Dance Company.

 

 

BALÉ TEATRO GUAÍRA / A Sagração da Primavera

 

A primeira apresentação de A Sagração da Primavera em 29 de maio de 1913, em Paris, foi um marco na história da dança contemporânea. Com um estilo de movimentos nunca antes apresentado, uma música de estrutura completamente original, o compositor Stravinsky e o coreógrafo Nijinsky chocaram quem estava lá. A obra conta a história de uma jovem que é escolhida para ser sacrificada como oferenda ao deus da primavera em um ritual primitivo, a fim de trazer boas colheitas para a tribo. Desde então, Sagração foi interpretada e relida pelos maiores coreógrafos do mundo. A versão com o Balé Teatro Guaíra, da coreógrafa portuguesa Olga Roriz, é ousada, sensual e viceral. Não há vítima: a eleita, ainda que sua escolha signifique a morte, abraça sua missão como uma honra, bate no peito e sorri desafiadora.

 

 

Sobre o Balé Teatro Guaíra
O Balé Teatro Guaíra é uma das mais importantes companhias oficiais do país. Foi criada pelo Governo do Estado do Paraná em 1969, e teve como seus primeiros diretores Ceme Jambay e Yara de Cunto, sucedidos por artistas como Yurek Shablewski, Hugo Delavalle e Eric Waldo. Em 1979, o coreógrafo português Carlos Trincheiras assume a direção até 1993. Neste período a companhia ganha reconhecimento internacional com destaque para a obra O Grande Circo Místico - com roteiro inspirado no poema de Jorge de Lima e com música especialmente composta para ocasião por Edu Lobo e Chico Buarque. De 1994 a 2011 diferentes diretores, com suas diferentes visões, contribuíram com a construção da história desta companhia. Além das criações dos próprios diretores, coreógrafos de diferentes estilos realizaram mais de 130 coreografias que compõem seu repertório. Com a atual direção de Cintia Napoli, mantém-se conectado à contemporaneidade, trazendo propostas ousadas e autênticas, sem perder de vista a tradição.

 

Preços:
Frisas e camarotes – R$ 360,00
Plateia e balcão nobre – R$ 60,00 
Balcão superior – R$ 40,00 
Galeria – R$ 10,00

 

 

 

Dias 07 e 28, às 12h

 

O ELIXIR DO AMOR
ÓPERA DO MEIO-DIA
Solistas do Coro do Theatro Municipal

Programa
O ELIXIR DO AMOR, de Donizetti

 

A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta o Projeto Ópera do Meio-Dia, que tem a tripla finalidade de divulgar a ópera, oferecer arte a quem trabalha no Centro durante a pausa para descanso e dar oportunidade aos integrantes do Coro de se apresentarem em solo ao público. Cada espetáculo do Projeto, apresentado no Foyer do Theatro Municipal – com figurinos, maquiagem, iluminação, canto e cena, com acompanhamento de piano – tem duração de uma hora, com trechos de óperas ou mesmo obras completas que durem 60 minutos.
  
Solistas 
Danielle Gregório, soprano  
Ivan Jorgensen, tenor  
Fabrizio Claussen, barítono 
Cícero Pires, baixo 
Priscila Bomfim, piano

 

Direção Musical, Jésus Figueiredo
Direção Cênica, Inácio de Nonno 
Direção Geral, Bruno Furlanetto 

Foyer do Theatro Municipal 
Capacidade - 100 lugares 
Duração - 60 minutos 

Preço único - R$5,00

 

*Vale lembrar que, mesmo na sessão matinal, não é permitida a entrada de pessoas trajando bermuda, short, top, camiseta sem manga e chinelos, exceto para crianças até 10 anos.

 

 

 

Dia 10, às 17h 

 

ORQUESTRA SINFÔNICA DE HELIÓPOLIS

A Orquestra Sinfônica Heliópolis tem por objetivo promover a  prática orquestral refinada e conhecimento de repertório sinfônico a alunos avançados do Instituto Baccarelli, oriundos da comunidade e de outras regiões do país. Isaac Karabtchevsky, renomado maestro brasileiro, é diretor artístico e regente titular da orquestra, que tem Zubin Mehta como patrono. Atualmente com 86 músicos, a orquestra já foi regida por maestros internacionais como Peter Gülke, Yutaka Sado e Zubin Mehta.

 

Regência: Isaac Karabtchevsky

 

Programa:

Antonio Carlos Gomes – Fosca - Abertura
Giuseppe Verdi – A Força do Destino – Abertura
Johann Strauss Jr. – Danúbio Azul
Johann Strauss Jr. – Pizzicato Polka
Richard Wagner – Tristão e Isolda – Prelúdio
Richard Wagner – Tannhäuser – Abertura

 

 

Preços:
Frisas e Camarotes – R$ 240,00
Plateia e Balcão Nobre – R$ 40,00
Balcão superior – R$ 30,00
Galeria – R$ 20,00

 

 

 

Dia 11, às 11h 

DOMINGO NO MUNICIPAL
2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CIRCO – CIA. CIRK LA PUTYKA / RISK


 

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro recebe pela primeira vez um espetáculo circense: Risk, apresentado por uma das mais premiadas companhias do Circo Contemporâneo mundial, Cirk La Putyka, da República Tcheca. Através da Roda Cyr, Malabarismo, Acrobacia de Chão, Anel Aéreo, Dança Contemporânea e Clown os artistas propõem a discussão: o que é um risco? O que ele significa no circo? É possível encontrar a felicidade a um milhão por cento, mesmo se você tiver uma deficiência? Isso não é correr risco?

 

Conceito e Direção: Rostislav Novák e Coletivo

 

Preço único - R$1,00

*Vendas no dia do espetáculo a partir das 10h, na entrada principal do Theatro.

**Vale lembrar que, mesmo na sessão matinal, não é permitida a entrada de pessoas trajando bermuda, short, top, camiseta sem manga e chinelos, exceto para crianças até 10 anos.


 

 

 

Dia 11 às 18h30

ORQUESTRA SINFÔNICA DA RÁDIO DA BAVIERA

Série Concertos Internacionais – Dell’Arte

Mariss Jansons, regente

 

John Adams – Slonimsky’s Earbox
Richard Strauss – Don Juan
Hector Berlioz – Symphonie Fantastique

 

 

Fundada por Eugen Jochum em 1949, a Orquestra Sinfônica da Rádio da Baviera alcançou elevada qualidade artística interpretando um vastíssimo repertório que vai do século XVII aos nossos dias. Jochum foi sucedido por Rafael Kubelik, Sir Colin Davis e Lorin Maazel. Mariss Jansons assumiu a orquestra em 2003 e se mantém à sua frente até hoje.
Compositores como Stravinsky, Milhaud, Hindemith, Stockhausen, Kagel e Berio estiveram à frente da orquestra dirigindo suas próprias obras. Também estiveram em seu pódio Haitink, Wand, Solti, Abbado, Ozawa e Muti, para citar apenas alguns.
A Orquestra Sinfônica da Rádio da Baviera, que se notabiliza por sua elevada qualidade artística, conquistou em 2006 o Grammy de Melhor Apresentação Orquestral.

 


Preços:
Frisa e Camarote – R$4.200,00
Plateia e Balcão Nobre – R$700,00
Balcão Superior – R$350,00
Galeria – Filas A a H - R$170,00
Filas I a K -  R$70,00
Galeria Lateral – R$170,00

 


 

 

 

 

Dias 15 e 16, às 20h
25º PRÊMIO DA MÚSICA BRASILEIRA
Abertura da Turnê Itinerante e Gravação do DVD

 

Beth Carvalho, Mariene de Castro, Angelique Kidjo, Péricles, Arlindo Cruz, Dudu Nobre, Xande de Pilares e Beatriz Rabello são as atrações dos primeiros shows da Turnê Itinerante do Prêmio da Música Brasileira – num percurso por São Luís, Belém , Parauapebas (PA), Belo Horizonte, Vitória  e Corumbá  –, que serão realizados nos dias seguintes à cerimônia de entrega do 25º Prêmio da Música Brasileira, restrita a convidados no dia 14.

 

As apresentações, durante as quais será gravado um DVD, têm roteiro assinado por José Maurício Machline e consultoria de Beth Carvalho, incluindo números solos, duetos e um encontro final entre todos os artistas que participam do espetáculo. No repertório estão presentes alguns dos maiores clássicos do samba, como Juízo Final, Foi um rio que passou em minha vida, E o mundo não se acabou, Preciso me encontrar e O mar serenou, entre outros sucessos.

 

Preços:
Frisas e camarotes – R$ 180,00
Plateia – R$ 30,00 
Balcão Nobre e Balcão Superior – R$ 20,00 
Galeria – R$ 10,00

 

 

 

 

 

 

Dia 17 às 16h
Orquestra Petrobras Sinfônica
Série PORTINARI II

 

Regente: Isaac Karabtchevsky
Solista: Paula Almerares, soprano

 

Programa:
RICHARD STRAUSS (1864-1949) *150 anos de nascimento
As Quatro últimas Canções,

 

GUSTAV MAHLER (1860-1911)
Sinfonia Nº 4 em Sol Maior

 

Preços:
Frisa e Camarote – R$576,00
Plateia e Balcão Nobre – R$96,00
Balcão Superior – R$50,00 
Galeria – R$20,00

 

 

 

 

Dia 18 às 16h
Orquestra Sinfônica Brasileira
Série Turmalina Pianista II

 

*EXCEPCIONALMENTE

 

Ricardo Castro, regência e piano 


 LUDWIG VAN BEETHOVEN
Sonata para piano nº 21 em Dó maior, Op. 53

 

Programa
JOHANNES BRAHMS
Abertura Festival Acadêmico, Op. 80
 LUDWIG VAN BEETHOVEN
Concerto para piano e orquestra nº 1 em Dó maior, Op. 15

 

Preços:

Frisas e Camarotes -  R$ 1.050,00

Balcão Nobre – R$ 140,00

Plateia – R$ 100,00

Balcão Superior – R$ 60,00

Galeria – R$ 20,00

 

 

 

Dia 22 às 20h
Orquestra Sinfônica Brasileira
Série Topázio I


Roberto Minczuk, regência
Arabella Steinbacher, violino 


ESTREIA COM A OSB

 

Programa:
MODEST MUSSORGSKY
Uma noite no Monte Calvo - Versão original
ANTONÍN DVORÁK
Concerto para violino em lá menor, Op.53, B. 96
SERGEI RACHMANINOFF
Sinfonia nº 1em ré menor, Op. 13
ESTREIA BRASILEIRA

 

 

Preços:

Frisas e Camarotes -  R$ 1.050,00

Balcão Nobre – R$ 140,00

Plateia – R$ 100,00

Balcão Superior – R$ 60,00

Galeria – R$ 20,00

 

 

Dia 24, às 20h
SÉRIE MPB & JAZZ 2014 – CAYMMI SINFÔNICO 100 ANOS
Show com Rosa Passos, André Mehmari e Orquestra Petrobras Sinfônica
Homenagem ao centenário de Dorival Caymmi (1914-2008)

 

 

A cantora baiana Rosa Passos, que pela primeira vez sobe ao palco do Theatro Municipal em evento aberto ao público, traz sua versão de clássicos como Maracangalha e Só louco; lembra as canções com nome de mulher como Dora e Marina. O compositor, orquestrador e instrumentista André Mehmari criou duas fantasias, uma delas inédita e estreando nessa noite (Caymminiana para piano e orquestra). É dele a orquestração e o piano na Suíte dos Pescadores, essa obra-prima de melodia e poesia que encerra o espetáculo.
Com
Rosa Passos – voz  
André Mehmari – piano
E banda:
Itamar Assiére – teclados
Gabriel Improta – violão e guitarra
João Batist – baixo
Andre Boxexa – bateria
Mingo Araújo – percussão

 

Orquestra Petrobras Sinfônica
Regência  –  Carlos Prazeres

Classificação etária: 12 anos

 

Preços:
Frisas e camarotes – R$ 480,00
Plateia e balcão nobre – R$ 80,00 
Balcão superior – R$ 40,00 
Galeria – R$ 20,00

 

 

 

 

Dia 25, às 11h 
CATULLI CARMINA
Coro do Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Conjunto de Percussão da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro

DOMINGO NO MUNICIPAL

 

Segunda obra da trilogia Trionfi, de Carl Orff, a cantata Catulli Carmina (Ludi Scaenici) foi composta entre 1940 e 1943 e inspirada em poemas líricos do italiano Catulo (Verona, 87 a.C. – 57 a.C.).  Também integram este tríptico musical Carmina Burana (1937) e Trionfo di Afrodite (1952). Dividida em três partes, Catulli Carmina terá como solistas uma soprano e um tenor e será executada pelo Coro, quatro pianistas e percussionistas da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal.

 

Música: Carl Orff

 

Solistas:

Celinelena Ietto, soprano

Jacques Rocha, tenor

 

Pianos:

Priscila Bomfim, Eliara Puggina, Silas Barbosa e Catherine Henriques

 

Participações: Eliane Lavigne (soprano), Francisco Neves (barítono) e Ricardo Tuttmann (tenor)

 

Regência: Jésus Figueiredo  
Preço único - R$1,00


*Vendas no dia do espetáculo a partir das 10h, na entrada principal do Theatro.

**Vale lembrar que, mesmo na sessão matinal, não é permitida a entrada de pessoas trajando bermuda, short, top, camiseta sem manga e chinelos, exceto para crianças até 10 anos.

 

 

 

 

 

Dia 25 às 17h

QUARTETO EMERSON

Série Concertos Internacionais – Dell’Arte


Wolfgang Amadeus Mozart - Quarteto em mi bemol, K428
Dmitri Shostakovich - Quarteto n. 14  
Ludwig van Beethoven - Quarteto em mi menor, Op. 59 n. 2

 

 

Fundado em 1976 e baseado na cidade de Nova York, o Quarteto Emerson tomou seu nome em homenagem ao poeta e filósofo Ralph Waldo Emerson. Um dos grupos mais destacados em sua categoria, ele vem sendo aclamado por suas exibições intensas e refinadas. Em sua lista de premiações destacam-se nove “Grammys “ — dois deles por melhor gravação clássica —, três Prêmios Gramophone, Prêmio Avery Fisher e “Conjunto do Ano” de Musical America.
The New York Times apresentou uma síntese perfeita do conjunto: “Uma das características do Quarteto Emerson é a de que todos os seus músicos possuem a habilidade e os instrumentos para produzirem um som doce e polido. Mas vão muito além disto.  [...] Fiquei assombrado com a precisão da calibragem perfeita de seus timbres.”

 

 

Preços:
Frisa e Camarote – R$2.520,00
Plateia e Balcão Nobre – R$420,00
Balcão Superior – R$200,00
Galeria – Filas A a H - R$100,00
Filas I a K -  R$50,00
Galeria Lateral – R$100,00

 

 

 

 

 

 

Dia 30, às 20h30

LI BIAO PERCUSSION GROUP
Do Barroco ao Tango

 

Fundado em 2005, Li Biao Percussion Group é um extraordinário conjunto de percussão reunindo astros internacionais do ritmo que se apresenta em vários festivais e concertos em todo o mundo. O conjunto toca rico repertório de vários estilos, do clássico ao jazz, do contemporâneo ao pop, em 100 tipos diferentes de instrumentos de percussão, o que torna o espetáculo uma experiência multissensorial fantástica ao publico. Em 2008 o grupo participou da cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Pequim.

 

No espetáculo Do Barroco ao Tango, o conjunto apresenta variado repertório que inclui composições de Antonio Vivaldi (Concerto em Ré Maior para Alaúde), Steve Reich (Music for Pieces of Wood) e Astor Piazzolla (Tango Suite / Tango nº 2)

 

Preços
Frisas e camarotes - R$ 180,00
Plateia e balcão nobre - R$ 30,00 
Balcão superior - R$ 15,00 
Galeria - R$ 5,00

 

 

Dia 31 às 21h30 
Orquestra Sinfônica Brasileira
Série Ametista I

 

Marcelo Lehninger, regência 


Alexandra Soumm, violino 


ESTREIA BRASILEIRA

 

Programa: 
FELIX MENDELSSOHN
As Hébridas, Op. 26 - A Gruta de Fingal
MAX BRUCH
Concerto para violino nº 1 em sol menor, Op. 26
ROBERT SCHUMANN
Sinfonia nº 4 em ré menor, Op. 120

 

Preços:

Frisas e Camarotes -  R$ 1.050,00

Balcão Nobre – R$ 140,00

Plateia – R$ 100,00

Balcão Superior – R$ 60,00

Galeria – R$ 20,00

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os ingressos para frisas e camarotes são vendidos somente na bilheteria do Theatro Municipal. Os ingressos para plateia, balcão nobre, balcão superior e galeria também podem ser adquiridos através dos pontos de vendas telefônicas, remotas e do “site” da INGRESSO.COM, cuja operação seja a retirada de bilhetes na Bilheteria do Theatro Municipal, deverão ser  entregues na entrada do Salão Assyrius – acesso Av. Rio Branco, no período de 01 (uma) hora de antecedência da abertura do espetáculo.

 

Horário da bilheteria: 

Segunda a sexta, sábados, domingos e feriados --10h às 18h.

Nos dias de espetáculos, das 10h até a hora do início da apresentação.


Não é permitida a entrada de pessoas trajando bermuda, short, top, camisa sem manga e chinelos.
Bilheteria: Boulevard (entrada Rua Evaristo da Veiga)

mapa