giselle

Ballet Giselle

Jovens artistas do Ballet da Escola Maria Olenewa dançam no Theatro Municipal
Claudia Mota será Giselle e o argentino Federico Fernández, do Teatro Colón, o Conde Albrecht

Uma das peças mais populares da dança romântica no mundo, o ballet “Giselle” será encenado pelos alunos dos últimos anos de formação e os já diplomados da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, em dezembro, no Theatro Municipal. Peça com 178 anos de existência, “Giselle” continua encantando a cada nova montagem: no Theatro Municipal, ela vem sendo apresentada pelo ballet da casa desde 1951. A história trágica da camponesa que sofre uma desilusão amorosa mortal, ao saber que o camponês por quem está apaixonada é, na realidade, um nobre disfarçado e comprometido com outra, transforma-se, no palco, na representação do poder do amor da mulher face à traição. O clima misterioso e sobrenatural, que está na origem do Movimento Romântico, surge com as Willis, espíritos de virgens que morreram antes de casarem e que vão buscar a alma de Giselle na sepultura, para que ela tome parte em seus ritos. Vingativas, elas fazem dançar até a morte os homens que encontram na estrada, às altas horas da noite.

Claudia Mota, primeira bailarina do Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, foi convidada para o papel-título, revezando-se com Danielle Marinho. O argentino Federico Fernández, primeiro bailarino do Teatro Colón, virá especialmente ao Rio para dançar o papel do Conde Albrecht, que também será interpretado por Alyson Trindade.

Ballet em dois atos, Giselle exige tanto tecnica quanto emocionalmente dos bailarinos, cuja expressão facial também conta muito na interpretação dessa cativante história. A coreografia desta nova montagem, que estreia dia 14, é de Marius Petipa, d’après Jean Coralle e Jules Perrot. A direção geral é de Hélio Bejani e a direção artística, de Jorge Texeira. As cinco récitas terão preços populares.

Ficha técnica:

Giselle: Claudia Mota (primeira bailarina BTMRJ) ou Danielle Marinho

Conde Albrecht: Federico Fernández (primeiro bailarino do Teatro Colón – Argentina) ou Alyson Trindade

Myrtha, Rainha das Willis: Deborah Ribeiro (primeira solista BTMRJ) ou Olívia Zucarino

Coreografia: Marius Petipa d’après Jean Coralle e Jules Perrot

Direção artística, remontagem e adaptação: Jorge Texeira

Direção geral e mise-en-scène: Hélio Bejani

O Theatro Municipal é vinculado à Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro

Apoio: Livraria da Travessa e SulAmérica Paradiso

Realização: Theatro Municipal e Associação dos Amigos do Teatro Municipal

PATROCÍNIO OURO 

unnamed

DEZ 14, 15, 20, 21 - 19h30; DEZ 16 - 17h


 

Preços

Frisas e Camarotes – R$50,00

Plateia e balcão nobre – R$50,00

Balcão superior – R$30,00

Balcão superior lateral – R$20,00

Galeria – R$10,00

Galeria lateral – R$5,00

“Alertamos que, nos dias de espetáculos, é proibida a entrada no Theatro usando bermuda e/ou chinelos.”

“O Theatro Municipal do Rio Janeiro dispõe de meia entrada para:

Estudantes (mediante apresentação da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) da UNE, UBES e ANPG )
Idosos”